quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Letras Mortas



Transito

Entre palavras

Atropelo sílabas nas faixas brancas

Sei que sempre passo no farol vermelho

Esmago frases nos pneus traseiros

Buzino entre estrofes

Descabelo as mais esnobes

Vou sem freio pelo verso

Atravessando letras mortas

Na ré do caminho inverso

O mapa desse caminho

É uma aberração literária

Não me coloque no meio

De um soneto severo

Me desespero...

Regras são o côncavo do meu convexo

Meus olhos não têm acesso...

2 comentários:

Virginia disse...

Sinal sempre verde pra suas poesias...

Vivi disse...

É... não é só no mundo das palavras que vc faz tudo isso!!

hehe
Lindo amor!!!