domingo, 5 de abril de 2009

NOVELÓRIO

Eles se conheceram num velório, não é lá um lugar ideal para estrear um romance, mas enfim assim quis o destino, ele apaixonou-se a primeira vista, suas almas perceberem-se unas.
Ele levava flores para ela todas as semanas, sonhavam-se entre nuvens e castelos medievais, eram reis, camponeses, lobos, personagens de gibis e desenhos animados. Vagavam noite adentro embalados por mil fantasias, trocavam histórias, cada um ao seu modo. Ele levou os pais para conhecê-la, os pais dela fizeram questão de conhecê-lo, a primeira vista tudo parecia um pouco exagerado e insólito, depois as famílias se acostumaram e deixaram o namoro prosseguir sem diásporas.
Nunca se separaram, “Coisas de vidas passadas” - ele falava docemente para ela, ajoelhado no cemitério acariciando sua lápide florida.

3 comentários:

Flávio UmagumA disse...

Legal tua idéia de descrever um romance, assim. Causa estranheza desde o 1º momento, curti a leitura.

Bjo

Flávio UmagumA disse...

Legal tua idéia de descrever um romance, assim. Causa estranheza desde o 1º momento, curti a leitura.

Bjo

Beto disse...

Eu gosto de tuas prosas.
bj e parabéns pelo talento com as palavras.