quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

claridade

claridade
sol nascente
eu você
de mãos dadas numa estrada
de repente
bifurcação
sem mão dadas
apenas eu
sol poente
escuridão

7 comentários:

Vanessa disse...

Puxa, Helô!!! Muito lindo tudo isso!!! =)
Quando vamos conversar? Ainda não nos encontramos no MSN...
beijos

Angel Ilanah disse...

lindo poema, que pinóia de bifurcação chata, putz.
... luz no fim do tunel... há de haver!

Djalma disse...

Belo poema! Vejo a bifurcação como a dúvida em oposição à claridade do sentimento mais puro e contagiante. E, assim, a e o brilho da união contrastam com a noite sombria da solidão. Poucas palavras a dizer-me tantas coisas. Muito obrigado pelo lindo texto e grande abraço de que muito te admira.

Márcio disse...

No fim das contas quem sabe se não encontra alguém perdido dentro dessa escuridão?

Isis Fantini Carneiro disse...

um beijo para ti...

Marcelo Cantalice Dias disse...

Ler seus poemas é sempre uma forma de acender a luz!
Parabéns por mais um.
Tem novidades por lá...
Passa e vê a claridade|
Abraços

Flávio Umaguma disse...

Curto e certeiro, me amarrei tbm.