sexta-feira, 19 de outubro de 2007

Um Vulto Teu





Dentro dos meus olhos
Habita um vulto teu
Embaçado pelo tempo
Impune
Ao esquecimento

Dentro dos meus olhos
Existe um livro teu;
Poesias, desenhos e prosas
Nele vejo e revejo
Histórias que foram nossas

Dentro dos meus olhos
Há uma lagoa em teu nome
Nela jazem afogadas lembranças
Pinturas borradas
Pela desesperança

Dentro dos meus olhos
Habita um vulto teu
Dos teus traços, uma escultura.
E a cegueira eterna
Que nasceu da falta tua
Dos abraços, noites, beijos...

Do nada que enxergo agora;
Somente a ti, vejo...


5 comentários:

Virginia disse...

Linda poesia!Mereceu ser premiada! Parabéns!

Camila Cobucci disse...

Nossa b que lindo..essa vc se superou..
parabens!

Fernanda Passos disse...

O breu da ausência.......só reflete mesmo a própria falta.
;)

naneeh disse...

ô.O esse é o meu rosto.. mesmo, é o meu rosto há mais de dois anos.. em todo lugar que tem eu na net. engraçado vê-lo em outro lugar
^^.

RE disse...

Achei muito bom!!Parabens, contiunue assim sempre inspiradora
Renato