domingo, 5 de agosto de 2007

Deuses Constelados - poesias do 1711




Deuses Constelados- poesias do 1711


Na segunda você acorda e ainda é lua,
Gira e rodopia pela cama,
Ainda sonha e anda nua pela rua,

Terça coloca uma faca na cinta-liga
Duas pulseiras largas no ante-braço
Sai a pé depois das dez e vira dona do pedaço

Quarta, escreve cartas e as entrega por conta própria
Encontro-te no meio de qualquer estrada
E vesga, lume no escuro da encruzilhada

Quinta acorda reluzindo, toma banho de mel
Marca 11 encontros , outorga 17 mortes
De noite rapta as virgens e faz que sangrem no céu

Sexta é sempre a mais bonita, no ar um cheiro de mar,
Abraça seu filho e lhe dá conselhos e asas,
Procura o mais belo dentro de todas as casas

Sábado é sempre soturna
veste-se de preto e se tranca no quarto
pensa enquanto cala, e tarde dorme numa urna

Domingo vai ao parque com a molecada
Desfaz-se de todos seus crimes
E numa pirueta tem de volta sua alma iluminada...




5 comentários:

Márcio disse...

Deliciosamente profano!!

Fernanda Passos disse...

Desnuda as facetas, as personas que temos e, muitas vezes, escondemos ou não aceitamos.
Bjs.

b disse...

isso é mais que uma bipolar rsss
adorei..muito..tocante
amote

Juliana Cintra disse...

Oi oi oi..
Obrigada pelo recado, palavras incentivadoras...
Adorei as representações dos dias da semana rss..
Muito bom..
bjux bjux.

Vivi disse...

Sua semana é agitada né amor??!! rs
Vc é a preferida dos deuses, Safo nunca mais será a mesma!!!
Te amo muito!!